ANTÓNIO GUTERRES NO CUME DA MONTANHA (ONU) COMO SECRETÁRIO-GERAL

Será que os melhores que Portugal produz emigram!

António Justo

Da realidade que se observa da presença de personalidades portuguesas a actuar no palco internacional, fica-se, por vezes, com a impressão que “Portugal” é bom para governar o mundo e mau para governar o país. Parece fatídico que Portugueses desenvolvam a sua categoria de grandes personalidades fora de Portugal, quando o ambiente político português só lhes possibilitaria o papel de personagens unilaterais de mérito nacional a nível de partido ou de ideologia.

Portugal dá tudo, dá os melhores emigrantes e as melhores personalidades para um mundo que ainda se preocupa em colocar personalidades de países menos relevantes em posições onde os seus interesses são jogados. Ao contrário, a Alemanha manda para as instituições internacionais o seu pessoal de reserva, mantendo para as internas o melhor.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) nomeou, de forma definitiva e oficial, António Guterres como seu escolhido para Secretário-geral.

A partir do dia da comemoração da República (5 de Outubro) ficamos a saber que António Guterres ocupará o cargo de cimeira das Nações Unidas a partir de 1.01.2017 por cinco anos, sucedendo a Ban Ki-moon. Foi proposto, pelo CSNU, à Assembleia Geral da ONU, onde será eleito seu Secretário-geral. Depois de lhe ter sido aplanado o caminho pelo decisivo Conselho de Segurança com 13 a favor dos 15 votos (todos os estados membros permanentes do Conselho de Segurança, China, EUA, França, Reino Unido e Rússia votaram a favor), será certa a sua eleição onde precisa de uma maioria simples de 193 votos.

Sem medo de se opor aos poderosos como demonstrou no cargo de Alto-comissário para os Refugiados, de 2005 até 2015, a ONU escolhe agora para seu chefe, um homem que se encontra mais perto do mundo porque anda com o povo, com os pobres. Aprendeu a humildade e a ajuda nas favelas de Lisboa quando aí trabalhava no movimento estudantil Católico. Manteve a humildade que evita populismos e reúne em si o idealismo e o pragmatismo numa vida guiada pela utopia.

Compreende o seu papel de Secretário-geral no sentido de "Aparecer com humildade sem arrogância, sem dar lições a ninguém, mas atuar como um facilitador, como um catalisador. Como um mediador honesto, um construtor de pontes e como uma voz para a paz."

Com a escolha do engenheiro Guterres afirma-se a competência e o empenho pessoal, além do bom trabalho da diplomacia portuguesa. Com a derrota da candidata concorrente Kristalina Georgieva, apoiada por Merkel e a vitória da personalidade de Guterres, temos bons sinais de que a ONU, no futuro, será menos instrumentalizada. Com Guterres a ONU ganha o campeonato da conciliação. Como candidato prometeu ocupar metade de todas as posições de topo com mulheres.

O perfil de Guterres, socialista católico, é um exemplo prático e apelativo para as elites portuguesas em geral e para os socialistas em particular. É uma personalidade rara na esquerda portuguesa devido à sua capacidade de integrar a tradição católica e o progressismo socialista e deste modo dar o bom exemplo de mais que um personagem do partido ser uma personalidade patriota. Consegue unir exemplarmente na mesma pessoa a tradição e o progresso, o povo e o mundo, consegue o que os partidos lusos não conseguem numa sociedade extremamente dividida pelos fossos da república mais interessada em dividir para reinar do que em unir para progredir (1). Guterres é o exemplo de um homem fazedor, moderado e conciliador para Portugal e para o PS, numa comunidade ainda por construir.

O antigo Primeiro-ministro de Portugal de 1995 a 2002, continuou sempre fiel ao seu dizer: “não quero ser árbitro, quero jogar à bola, quero estar no campo, ter acção, intervir constantemente”. Até parece paradoxal o facto de um homem inteligente e simples conseguir colocar Portugal nos cornos da lua. Guterres honra Portugal a nível internacional!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Espírito no Tempo http://antonio-justo.eu/?p=3886

(1) Tive o prazer de conhecer António Guterres e de ser tradutor dele numa reunião realizada em Dortmund. Apoiei-o no início dos anos 90 nas eleições do congresso para secretário-geral do PS por ver, representada nele, aquela parte de Portugal que a ala mais esquerda desprezava e despreza. Depois do Congresso voltei desiludido à Alemanha por ver o espírito jacobino de grande parte do PS; decepcionado, por considerar o PS incapaz de unir um povo estruturalmente fraco porque demasiadamente dividido, coloquei o partido ad acta. Tive na altura a impressão que também radicais da esquerda portuguesa se aproveitavam do ingresso no PS porque lhe oferecia mais oportunidade de postos do que partidos sem coligações governamentais; observei como representantes do partido se aproveitavam do estatuto para as suas excursões de interesse privado.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s