POEMA – O Relógio do Tempo

desenho orlando pompeu
desenho orlando pompeu

O Relógio do Tempo

O relógio soa

E nos induz, em tom mordaz,

A recordar que uso fugaz

Fizemos do dia que escoa

Charles Baudelaire, As Flores do Mal

O relógio do tempo

não para,

avança inexoravelmente

pontual e fugaz

na sucessão imanente

dos dias e das noites.

O relógio do tempo

não anda para trás,

urge

e não se compadece

que o hoje, amanhã

seja ontem.

Moldado em horas

escoadas

em minutos e segundos,

o relógio do tempo

é universal,

aplica a todos por igual

a sentença da vida

e da morte,

a todos destinada

por todos desconhecida.

Daniel Bastos, “O Relógio do Tempo”, in Terra.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s