A VIOLÊNCIA DA TOLERÂNCIA PROPAGADA NO TRATO COM O ISLAMISMO – Substituir o pensar positivo pelo pensar amigo

A tolerância da intolerância é intolerante consigo mesma

António Justo

A liberdade é, depois da vida, o melhor bem que o Homem tem. Mas a liberdade para não ser receada tem como companheira a tolerância e a responsabilidade. A tolerância é filha da liberdade e da responsabilidade. As asas das ideias não devem ser cortadas para que os sonhos dos povos elevem a Terra. Toda a pessoa livre quer ser participante do poder sem se tornar súbdita dele.

Muitas vezes confunde-se mente aberta com indiferença ou cinismo sob a forma de tolerância. A tolerância da intolerância aplaina o caminho para a violência dos intolerantes. Por todo o lado se encontram disputantes sobre região e islão, mas o nível das discussões assemelha-se muitas vezes a campanhas partidárias e no caso a acções de prevenção contra a intolerância (1).

Tolerância e justiça são pressupostos de paz

Minorias reclamam, justamente, tolerância e respeito por parte da maioria da população, mas isto deve pressupor uma bilateralidade de tolerância da maioria que suporte a variedade e também da minoria que aceite a maioria. A situação de minoria não lhe confere automaticamente o estatuto de criança. O direito a uma certa autonomia constrói-se na afirmação da liberdade e do respeito cimentado pela responsabilidade.

Tudo o que é definido ou concreto é limitado porque percepcionado na perspectiva das subjectividades do conhecimento. O reconhecimento desta realidade tem como consequência a tolerância do percepcionado e afirmado também pelos outros, numa atitude leal de reciprocidade e na consciência da lei da complementaridade.

A tolerância para ser verdadeira e eficiente não pode assentar na areia da indiferença nem na embriaguez do cinismo.

Quem se encontra seguro nos seus valores tem maior probabilidade de apreciar e respeitar os valores dos outros.Para irmos ao encontro dos outros, com dignidade, temos de estar conscientes dos nossos valores. Ter uma visão implica assumir responsabilidade na defesa dessa própria mundivisão.

Substituir o pensar positivo pelo pensar amigo

Perante a violência islâmica visível no mundo, a tolerância tornou-se num tema importante devido à afirmação da diferença e do outro numa comunidade diferente.

A tolerância, embora seja uma virtude secundária importante, pode tornar-se numa armadilha do pensamento, se provoca o seu bloqueio. O Ocidente, tolhido pelas derrotas que depois da segunda grande guerra sofreu em relação às suas falsas intervenções em terreno muçulmano e dependente do petróleo árabe, sofre as consequências da imigração muçulmana. (O Ocidente nas suas intervenções fomentou o extremismo de grupos muçulmanos usando-os para os seus fins que se revelaram injustos e contraproducentes.) A Europa, agora com os problemas em casa, comete o mesmo erro já praticado ao não ter em conta a vitalidade e estratégia inerente ao sistema islâmico; a Europa abdica de si mesma e arranja um modus vivendi confuso deixando o destino dos europeus abandonado à força do acaso e do que um dia se revele mais forte.

Confrontada com a bagunça criada apenas reage numa mistura de resignação, medo e coragem. Na praça pública faz do medo e da coragem um recurso elaborado a que chama tolerância: esta implica uma atitude corajosa ad intra mas que também pode tornar-se numa maneira de tratar a coragem pela fuga a ela (uma coragem negativa que camufla o medo como virtude dando-lhe a roupagem de tolerância): a Europa assume a virtude da mortificação como maneira de circundar o problema e adiá-lo, não tomando a sério o parceiro dialogante.

Para se não abusar da tolerância torna-se óbvio substituir o pensar positivo pelo pensar amigo.

Pelo que me é dado observar, em disputas dos meios de comunicação social e em palestras com certos profissionais do diálogo, chego a ter a impressão que nos aproximamos de uma atitude de tolerância violenta (flexibilidade ad extra e empedernimento ad intra). Em vez de se discutirem as questões num terreno neutro, a nível de teses e princípios moventes, de argumentação e de prós e de contras (seguindo o método da controvérsia), passa-se a um discurso meramente pedagógico, com um caracter de autorreferência ou de mera catalogação de exemplos. Cai-se no equívoco de se querer ter um pensar positivo em vez de se ter um pensar amigo. O pensar positivo é monorreferencial e como tal individualista, levando à indiferença enquanto o pensar amigo é estrutural e como tal interessado em criar comunidade (acentua a intercultura e não a multicultura guetoal). Abdica-se do pensar livre e do discurso desembuçado para se passar a um discurso passado pela própria grelha, a grelha da circunstância e do oportunismo. O discurso motivado pelo pensar positivo torna-se próprio de uma atitude de escravos de uma liberdade fechada, sem referência, criadora de desinteresse e que implementa uma forma de estar individual e social de tipo autista, virada só para o momento e com tal sem conotações, voltada para os guetos equacionados em termos de multiculturas. O discurso do pensar amigo parte de uma matriz aberta orientadora que se encontra e discute com outras matrizes de forma controversa, sem se perder no acidental, e é motivado pela consciência da precaridade de todos os sistemas, numa vontade de aproximação e procura comum da “verdade” e na intenção de criar comunidade.

A tolerância torna-se violenta quando preponderantemente centrada no aspecto moral ou no sentimento circunstancial que, precipitadamente, opta por ou contra uma das partes, sem dar tempo a uma supervisão das próprias emoções ou opiniões, feita à luz da razão ponderada. A tolerância violenta cria tabus e proíbe de pensar ou evita o pensamento causal com medo das sombras negativas que a realidade encarada poderia deixar (ou consciencializar). Torna-se cobarde ao misturar nela o medo com um certo narcisismo – a necessidade de fazer boa figura – uma espécie de complexo da simpatia que se resume em cinismo e hipocrisia.

O medo que nos tolhe leva-nos à tolerância violenta

Uma olhadela sobre os Media europeus, em questões de muçulmanos, revela posições antagónicas que se situam entre o medo do islão e a islamofilia até à própria negação. A sociedade permanece indecisa entre medo e admiração e deste modo aprisionada nos sentimentos que alguns categorizam de islamofobia e de islamofilia.

A sociedade europeia foi traumatizada, ao longo da História, pela experiência que teve no contacto com a violência islâmica e que hoje se expressa à semelhança dos seus tempos primordiais. A experiência do medo e da insegurança (também a ameaça e a imprevisibilidade do antigo corso e da pirataria é hoje avivada com o terrorismo que irrompe do seio da Umma.) levou a sociedade ocidental ao recalcamento dos próprios sentimentos e à internalização do medo, fazendo do islamismo um tabu; os políticos, que conhecem o metier do poder verificando que não levarão a melhor perante o sistema islâmico, preferem ignorar a sua realidade. Temos disso um exemplo nas actuais relações entre a Alemanha e a Turquia; torna-se típica a maneira subserviente como o governo alemão reage às difamações e ataques atrevidos do governo turco, porque, embora o governo alemão (e a EU) tenha mais poder, não o pode usar pois o governo turco tem o poder da violência (e o método de enganar e obter vantagens: Hudaybiyyah) e esta é quem determina a História em momentos decisivos, porque na realidade há sempre interesses a ser repartidos.

O islão (=submissão), também a nível de consciência colectiva, constitui um risco ominoso para o homem Ocidental se, inconscientemente, o transforma em tabu:o pensamento ocidental, como se depara geralmente na imprensa publicada, em vez de encarar o islamismo com naturalidade e como é, pensa-o como ele deveria ser e, para tal, desliga a razão e recalca os seus sentimentos naturais de agressividade, transformando-os em sentimentos de compreensão para não ter de se confrontar com a realidade da prática e da filosofia contida no Corão, na Sharia e nas ahadith da Suna nem ter de tomar uma atitude perante o agir violento do islamismo por toda a parte. Autoridades muçulmanas, vêem-se assim sem necessidade de reflectir nem desenvolver a sua filosofia e religião em termos de uma plataforma de complementaridade num plano intercultural universal; assim, a sua reacção perante os occidentais só pode ser de piedade cínica, e vêem-se encorajadas a afirmar o seu ideário que entendem como superior e dogmático porque não encontram resistência interna nem externa; de facto o comportamento extremamente tolerante dos “infiéis cristãos ou ateus” e da política que os rodeia confirma-os na sua fantasia e estimula-os a continuar a agir sob o pressuposto da sua guerra-santa (jihad), pelos vistos, vantajosa: “se queres amigos bate-lhes”. Para que a política se torne responsável e creditável é necessário que tome o poder cultural e religioso tão a sério como toma o comércio e o negócio regulado por convenções bilaterais. (Não me refiro aqui à grande riqueza e capacidade de energias pessoais que muçulmanos trazem à sociedade ocidental a nível económico porque enquanto muitos dos seus colegas de escola dos países acolhedores não sabem a razão porque estuda nem o que querem na vida, muitos colegas muçulmanos esforçam-se e querem subir na vida e por isso esforçam-se mais, chegando mais tarde na sociedade mais longe do que os colegas autóctones).

Intelectuais inibidos na capacidade crítica na discussão como o Islão

A realidade política mostra-nos, por um lado, a expulsão das minorias não muçulmanas dos seus países e, por outro lado, uma migração de povos muçulmanos (xiitas e sunitas) para o Ocidente: nos países de maioria muçulmana só é possibilitado, em termos de futuro, o latifúndio muçulmano e fora deles os minifúndios islâmicos.

Em vez de nos perguntarmos porque é que o islão avança e muda o mundo através da violência, procuram-se no Corão versículos de paz, numa tentativa eficiente de se ignorar a realidade violenta a acontecer em quase todo o mundo, onde o islão está presente; a política e a opinião pública ocidental, além de não querer entender a filosofia/política e a mensagem vinculativa inerente ao Corão-Sharia-Suna, tem o descaramento de chegar a afirmar com as autoridades muçulmanas que as barbaridades que acontecem não têm nada a ver com o islão. Os políticos europeus deixam-se orientar pelo princípio, “o que não deve ser não se pensa” e as autoridades islâmicas julgam segundo o princípio, “o que é bom é islâmico, o que não é bom não pertence ao islão”. Por outro lado, o secularismo que governa o Ocidente, demasiadamente encostado ao Estado equivoca-se ao sonhar com o fim das religiões esperando que estas se desqualifiquem umas às outras! O poder secular ainda não acordou ao não constatar que o islão é o seu verdadeiro rival. Ignoram que a religião é povo e como tal é a força mais política que o acompanhará até ao fim dos tempos!

O conhecido intelectual Thilo Sarrazin, perito em política e economia, tentou fazer uma abordagem bastante objetiva sobre os estrangeiros especialmente turcos , no livro "Alemanha extingue-se a si mesma". Foi logo boicotado e crucificado pela imprensa do mainstream e pela classe política estabelecida, não interessada em investigar os dados e premissas que um livro de não-ficção apresenta. Reagiu escandalizada certamente pelo facto de um dos seus ter falado texto claro e trazer consigo o perigo de se entrar numa discussão intelectual que poderia conduzir a uma análise séria da questão. É compreensível o medo da política face às emoções populares que por isso prefere um discurso mais orientado para a tolerância da mentira do que para a tolerância da verdade. A verdade não deve ser pública, mas salvaguardada na privacidade de leituras esclarecedoras.

Na Alemanha, o número 12 do catálogo de ética do Código da Imprensa determina que no caso de delitos cometidos deve ser escondida " a pertença do criminoso ou do suspeito de minorias religiosas ou éticas”; deste modo dá-se uma discriminação negativa da maioria ao só poderem ser referenciados os com nome e etnia os criminosos da maioria. Ao impedir-se que a realidade seja conhecida fomenta-se inconscientemente o problema.

De uma maneira geral, os intelectuais europeus actuais, devido à grande percentagem de estrangeiros islâmicos na população e devido à domesticação exercida pelo pensar politicamente correcto, têm também receio de serem identificados com correntes da população denominadas de “populistas” e de contribuírem para um espírito anti-islâmico cada vez mais presente numa parte da população que não consegue digerir os factos do dia-a-dia.

A moderação da capacidade crítica em relação ao Islão torna-se assim natural; os interesses e os erros cometidos na sociedade aconselham-nos a não o encarar de maneira livre objectiva como fizeram outros intelectuais em séculos passados. Assim os intelectuais abdicam do seu importante papel político que deveria ser colocado na balança das decisões políticas e na formação da opinião pública. Naturalmente, toda a pessoa formada tem, em geral, um sentido maternal em relação à população não exigindo demasiado dela (por outro lado como os formadores de opinião têm um estatuto privilegiado não se encontrando geralmente envolvidos nos sectores produtivos da população podem permitir-se ficar-se pelo abstracto). Muitos intelectuais parecem sofrer, também eles, do trauma colectivo (medo que se transforma em consideração pelo islão) e, por isso, sempre que se referem a barbaridades cometidas por motivação islâmica, vêem-se na necessidade de apresentar também explicações confusas desculpantes chamando em ajudas das barbaridades muçulmanas as barbaridades europeias de séculos passados, segundo o princípio: as culpas do passado justificam as do presente. Nestes aspectos, adopta-se praticamente a defesa árabe e não se é capaz de fazer uma análise antropológico-sociológica e filosófica da cultura islâmica nem uma fenomenologia do hommo arabicus e do hommo europaeus ou, mais propriamente, uma fenomenologia antropológica e sociológica do hommo christianus e do hommo islamicus) em proveito das partes. Também se encontram aqueles que se declaram ateus e colocam todas as culpas nas religiões e deste modo se sentem ilibados de qualquer discussão séria não notando que a sua crença ateia é irmã da crença religiosa e o que está em jogo é a distinção entre poder religioso e poder do Estado (A César o que é de César e a Deus o que é de Deus).

A ausência de saber, aliada ao não querer saber, leva a uma cegueira político-social que confunde a realidade factual com desejos e fantasias (esta postura atribui ao islamismo uma vontade de paz que não encontra provas na História nem nos seus fundamentos (Corão, Sharia e Suna), que pressupõem, a nível mundial, apenas uma monocultura constituída do hommo islamicus). A história do islão é, predominantemente, uma história de guerras e guerrilhas, uma sociedade com uma economia da guerra que se serve da sujeição (escravização), do pagamento de imposto islâmico (ou discriminação) e da pirataria „sarracena" como meio de sustentabilidade.

Histórica e socialmente o “muçulmano” não conhece o fenómeno de desenvolvimento que se dá também através da osmose (dar e receber), apenas conhece o fenómeno da afirmação pela assimilação do outro até que a identidade deste desapareça (exemplo: Turquia moderna hoje só com 0,2% de cristãos quando no início do sec. XX tinha 22%). Outrora, “o infiel” enquanto não fosse assimilado pelo Islão tinha de se vestir de forma a ser reconhecido como não muçulmano e pelo pagamento especial do imposto por cabeça; nos estados islâmicos actuais o imposto foi substituído pela discriminação e repressão institucional e social de quem não for muçulmano. O problema começa no momento em que passam a ser maioria!

Em muitos foros de discussão nostálgica nota-se, por vezes, uma necessidade latente de ser enganado: não se pretende entender a realidade como ela é (para a poder mudar), entende-se como ela deveria ser. Muitos sentir-se-iam mal se tivessem de constatar que o islão não é uma religião como as outras. O temor fino é tanto e a coragem é tão pouca que leva a sociedade ocidental, instituições e indivíduos à necessidade de, em seu nome, branquearem os aspectos negativos de factos praticados por muçulmanos e a não falar da escravidão branca no Mediterrâneo. Fala-se de cruzadas sem explicarem o ataque sistemático muçulmano ao império cristão do Oriente que foi absorvido e transformado em monocultura islâmica também com a ajuda indirecta dos povos cristãos do Ocidente.

Com Ayatollah Khameini desde 1981 e com a queda da União Soviética e as intervenções do Ocidente (Afeganistão, Jugoslávia, Iraque, Líbia e Síria) foram desestabilizados os regimes autoritários e deste modo a guerra santa e o fanatismo islâmico ganharam asas em todas as regiões onde se encontram muçulmanos.

A irresponsabilidade dos agentes políticos e o factor medo internalizado leva o Ocidente à cobardia que nos é própria em encontros com os representantes das corporações islâmicas. Uma Alemanha complexada pela culpa nazi também se encontra sob a obrigação de dar bom exemplo. O nosso comportamento de complexados pelo colonialismo exercido, fortalece-lhes a ideia de que quem deve mudar são os povos acolhedores. Numa cultura em que a agressividade é socialmente aceite afirma-se a impressão de que compreensão e tolerância é fraqueza. Mesmo assim, a atitude que nos deve levar a encarar o islão não deve ser para o combater ou atacar, mas para incentivar os muçulmanos a revolucionar o islão por dentro: a única chance para ele e para a paz no mundo. Se Alá mudou de opinião no Corão num período que não chegou sequer a duas dezenas de anos (período de Meca para período de Medina) muito mais motivo terá para a mudar depois de 1500 anos.

O comportamento da muçulmana está para o muçulmano como o Ocidente para o Islão

Nas relações da consciência pública entre Ocidente e Islão dá-se um fenómeno paralelo ao que acontece entre os homens e as mulheres muçulmanas. A escravização e a submissão sistemáticas das mulheres muçulmanas durante séculos levaram-nas a criarem um inconsciente de seres de segunda natureza, em relação ao homem; a submissão expressa-se numa aceitação internalizada e inconsciente do patriarcalismo exacerbado como algo natural (a dor psíquica habitual torna-se inconscientemente normal, parecendo activar, na mulher, um processo de dessensibilização da própria consciência como mecanismo de defesa automático de acomodação ao homem para não sentir tanto a dor, pois a realidade da situação encarada conscientemente tornaria a dor insuportável; por isso reagem com orgulho num islão de lenço na cabeça; um islão moderno tornar-se-ia para elas num desafio provocante – o sistema económico fomenta a sua dependência legitimando por sua vez a tradição machista). Faz-se da situação dada e da necessidade uma virtude e da violência sofrida, algo que no fundo também conduz a um certo clímax de satisfação (isto faz lembrar o filme em qua a mulher violada que, um dia, na sua dor, chega a querer ter relações sexuais com o violador e assim ter a satisfação de o usar no segundo acto; esta é a forma que ela tem de se vingar dele! Lembra também um fenómeno psicológico não raro de mulheres muito boas e “legais” se sentirem atraídas preferencialmente por assassinos ou por criminosos que se encontram em prisões! No caso das mulheres da burca a sua prisão dá-lhes o sentimento de autoprotecção perante um mundo bruto e agreste).

A prática da subjugação é elaborada pelo inconsciente como um momento sentido necessário para manter a ordem; assim a subjugação torna-se habitual e parte da natureza, deixando de aparecer como sofrimento consciente ou como algo estranho. O contacto dos povos do ocidente com os povos islâmicos e a lida constante com a violência turca e árabe e com a pirataria do norte de áfrica no Mediterrâneo, leva o Ocidente a internalizar a sua consciência de ser mais fraco em relação à força islâmica. A força islâmica envolve te tal forma o indivíduo e a sociedade que as pessoas ocidentais, com um certo senso de privacidade se refugia criando uma consciência colectiva já não de vítima, nem de acusador, mas de menino bem-comportado em relação ao irmão mais forte. O Ocidente com a experiência multisecular da escravização e do ter de se aceitar como diferente leva-o a considerar natural a discriminação e violência sofrida; perante a impotência internalizada durante séculos, a condição de vítima é compensada com a aceitação e o reconhecimento do agressor. (Na História contemporânea os povos árabes têm razão em insurgirem-se contra as intervenções do Ocidente que os confirmam no seu papel de se julgarem vítimas!)

A meu ver, torna-se interessante verificar o facto de também a cultura muçulmana criar, por sua vez um trauma na sua alma; o trauma árabe funciona no sentido inverso ao do trauma do Ocidente; o homo turcus-arabicus ao não compreender ele mesmo nem assumir a responsabilidade dos actos da sua brutalidade, não pode desenvolver nele a culpa e por isso inverte-a considerando-se vítima; a agressão e a crueza são tais que uma consciência colectiva não suportaria explicar e por isso cria inconscientemente o complexo de vítima: deste modo não precisa de reflectir os próprios actos, dado o Corão legitimar a violência; Cria-se assim uma dinâmica paralela: fora a violência factual e dentro a sensibilidade repousante. A culpa está fora, nos outros.

Por tudo isto não há interesse na averiguação da realidade, nem da História nem dos factos porque isso exigiria uma gestão de resultados com soluções que implicariam o compromisso esclarecido em benefício dos povos e de uma paz sustentável. Isso implicaria a integração de consciência e inconsciência e o reconhecimento do dentro e fora, da razão e do coração, de Deus e da natureza, não como antagónicos, mas como polos numa relação de complementaridade em que a realidade é apercebida de forma a-perspectiva, como não reduzível a um ponto de vista ou perspectiva. A feminidade é um pressuposto da paz não podendo ser reduzida ao sector privado (ao dentro). A feminidade terá de ser uma componente do ideal público (do fora…). Numa sociedade equilibrada a feminilidade e a masculinidade passam a não ser polos extremos para se encontrarem num fluxo interactivo contínuo de energias diferentes numa Consência de Complementaridade num todo.

Conclusão

O saber é universal não se podendo manter nos limites de uma religião, cultura ou ciência como entende o islão; a sabedoria ultrapassa a razão e o entendimento não se pode meter no espartilho de uma só lógica ou interesse. O coração une e a cabeça discerne, um articula e a outra desarticula. Por isso, para se alcançar uma visão global integral não se poderá abstrair do coração nem da razão, o que não justifica ficar-se na ambivalência ou na oposição como forma de se afirmar na vida. A realidade afirma-se através de uma dialética certamente polar, mas de preocupação abrangente e inclusiva. O pensamento não tem proprietário e também não pode ser enfunilado num só determinado tipo de lógica ou cultura.

Consequentemente, a fraqueza de uma ideologia seja ela científica, política ou religiosa não constitui argumento que fundamente o combate contra ela nem qualquer violência contra os seus seguidores. Doutro modo seguiríamos nas nossas apreciações e atitudes uma práxis muito à semelhança do actuar dos países muçulmanos.

Do mesmo modo não deveria constituir argumento, evitar uma discussão aberta e séria sobre o Islão, pelo facto de a sua estratégia drástica de afirmação ser um modelo prático e oportuno para a organização, defesa e execução de interesses de grupos de tipo maquiavélico.

©António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (História e português)

Pegadas do Espírito no Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=4217

(1) Observei muitos profissionais do diálogo (políticos e cristãos), em grandes palestras com os seus parceiros muçulmanos ou em simpósios sobre o islamismo e constatei, quase sempre, que os parceiros ocidentais abdicavam da própria personalidade e dos valores que representavam. O mesmo se constata em conversas com pessoas no dia-a-dia. Chegam a dar a impressão que os nossos valores herdados não precisam de defesa ou se encontram à disposição perante parceiros que os não aceitam (dando também a impressão de não conhecerem verdadeiramente os valores em jogo de uma parte nem da outra). Actua-se como se se tratasse de defender a nossa simpatia e vaidade pessoal e para tal até nos adiantamos aos parceiros dialogantes citando frases bonitas do Corão, mas sem ter a coragem de abordar o tema da intolerância e da violação dos direitos humanos nele contidos. Em diálogo pressupõe-se o encontro de sistemas abertos ainda orientáveis e não apenas de frases feitas nem troca de simpatias.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s