ANDRÉ TECEDEIRO – AS RAPOSAS

As raposas, nunca esqueci,

Não se desatendem nas armadilhas:

Roem a própria pata quando tarda o caçador.

 

É que as raposas sabem bem

que mais se valem livres que inteiras.

 

Pernas para que as quero

Se não for para fugir?

Ler em: GAZETA DE POESIA INÉDITA https://ift.tt/2m8nuVb

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s