RICARDO TIAGO MOURA – (quinze tempos incertos)

 

 

 

numa batalha de amarelos

e brancos espaços em branco

dobrada geometria amarela

na força domesticados os músculos

contorno de cada

músculo

depois da chuva

uma falta de cor

depois da dança

(sabemos isso dos filmes)

: só mais quinze minutos :

dizes à saída e o rio

de luzes espalhado

assim como quem não

quer saber da teoria

das cores dos corpos

 

: numa ordem abstracta

era isso nem tempo

nem escrita nada

de história alguma

corpos amarelos e brancos espaços

em contra-luz sabendo

como e onde pousar

em que mãos deixar o céu

com que pés desenhar

ideias turvas

ideias claras

no alcatrão iluminado

por gente enorme que vai passando :

 

não sei se era um regresso

a casa ou a uma espécie

de paz explicando o bailado

batalha de nuvens

a termo incerto :

um pé

antes

do outro

amarelo

depois

braço :

fim da peça começo de rua

um pé

depois

outro :

contam-se passos

e fecha-se o dia

tantos dias

pelos dedos

 

 

 

Ler em: GAZETA DE POESIA INÉDITA http://bit.ly/2I53nVK

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s